Publicamos a seguir esta matéria do site oficial do canal português TVI, adaptando-a para a grafia usada no Brasil.

O Segredo dos Deuses” é a primeira série informativa da televisão portuguesa, em 10 episódios que começaram a ser transmitidos em 11 de dezembro de 2017 e vão até esta sexta-feira, dia 22. As reportagens revelam uma rede de adoções ilegais de crianças portuguesaslevadas para o estrangeiro por bispos da Igreja Universal do Reino de Deus (IURD).

Conheça os principais intervenientes deste enredo:

Igreja Universal do Reino de Deus

É uma denominação cristã, evangélica neopentecostal, fundada em 9 julho de 1977 no Brasil.

Chega a Portugal em 1989, compra o cinema Império em Lisboa e, em 1995, tenta comprar o Coliseu do Porto, o que acaba por causar uma enorme reação popular nas ruas da cidade. Esta pessoa jurídica religiosa defende a “teologia da prosperidade” e, em Portugal, declara mais de 30 milhões de euros por ano em ofertas livres de impostos. Até hoje, nunca divulgaram o número de fiéis que têm no país.

A IURD garante que tem 9 milhões de fiéis espalhados por 182 países, 320 bispos e cerca de 14 mil pastores.

Ao longo dos tempos, a Universal tem sido alvo de críticas, controvérsias e muitos processos judiciais.

O seu fundador e líder Edir Macedo Bezerra é um dos homens mais poderosos do Brasil, considerado como o pastor mais rico do país, com um patrimônio superior a mil milhões de dólares (1 bilhão de dólares, pela nomenclatura usada no Brasil). É dono de um banco e do grupo Record, que inclui a TV Record, emissora de televisão que oscila entre o segundo e o terceiro lugares entre os canais mais vistos do país, em disputa com o SBT.

Edir Macedo Bezerra

Líder máximo e fundador da Igreja Universal do Reino de Deus. Nasceu em 18 de fevereiro de 1945.

Começou como vendedor de loteria e atualmente é um dos homens mais ricos e influentes no Brasil. Bispo evangélico, fundou a IURD em 9 de julho de 1977.

Casou-se em 1971 com Ester Bezerra, com quem teve duas filhas biológicas – Cristiane Cardoso (1973) e Viviane Freitas (1975) – e adotou Moisés Bezerra.

Em 1990, comprou a rede Record de televisão e, em 2013, o Banco Renner.

O partido político PRB surge como o braço político ligado à IURD e conquista terreno no Brasil.

Chegou a estar preso em 1992 e, atualmente, responde a um processo em São Paulo no qual é acusado de charlatanismo, formação de quadrilha para lavagem de dinheiro e evasão de divisas. A TVI sabe que ele também está sendo investigado pelo FBI, em Nova Iorque.

Líder carismático, defende a vasectomia e o aborto.

Ester Bezerra

Esposa de Edir Macedo. Casaram-se em 18 de dezembro de 1971. Têm duas filhas, Cristiane e Viviane, tendo adotado mais tarde um rapaz, Moisés Bezerra, que chegou à vida do casal com apenas 14 dias de vida pela mão da própria mãe, que o entregou ao bispo para que o criasse.

Lar Universal

Orfanato criado através de uma associação de fiéis da Igreja Universal do Reino de Deus em Portugal. Abriu as portas em 23 de maio de 1994, na Rua do Zaire, em Camarate, mudando de instalações em 1997 para a Avenida Almirante Gago Coutinho, em Lisboa. O lar fazia parte da Obra Social da IURD e funcionou ilegalmente até 2001. Curiosamente, a própria Segurança Social e alguns tribunais de Portugal encaminharam para lá crianças, que acabaram por desaparecer.

A maioria dos menores chegou até o orfanato pelas mãos de fiéis e mães desesperadas que procuravam ajuda. Posteriormente, o orfanato dificultava a visita aos filhos e promovia o abandono das crianças, que seguiam para serem adotadas por bispos e pastores da IURD.

O lar funcionou ilegalmente durante sete anos, sem qualquer fiscalização da Segurança Social. Contornava-se o normal processo de adoções em Portugal e as crianças que os bispos adotavam eram escolhidas por fotografias.

Viviane Freitas

Filha do bispo Edir Macedo, nasceu no Rio de Janeiro em 18 de janeiro de 1975.

Casou-se com o bispo Júlio Freitas em 1992. Teria tentado adotar no lar da IURD, mas não foi aceita como candidata por não ter idade nem residência em Portugal.

Escolheu os irmãos Vera e Luís por fotografias. Ambos acabaram vivendo com ela durante anos, sem conhecimento dos tribunais portugueses.

A escolha da filha do bispo promoveu a separação dos irmãos. Vera e Luís foram afastados do seu irmão Fábio.

Bispo Júlio Freitas

Nasceu na Bahia em 11 de fevereiro de 1973. É marido de Viviane Freitas, a filha mais nova do bispo Edir Macedo, com quem se casou em 1992.

Como bispo, era vasectomizado, o que impedia o casal de ter filhos.

Concordou em ficar com Luís e Vera e garante que eles são seus filhos adotivos; no entanto, essa adoção não existe formalmente perante a justiça portuguesa, que foi enganada.

Alice Andrade

Nasceu em 4 de março de 1956. É natural de Angola e mãe de duas filhas.

Foi, durante uma década, secretária pessoal do bispo Edir Macedo. Como pessoa da máxima confiança do líder da IURD, serviu como testa de ferro para a adoção dos três irmãos que retirou do lar com uma guarda para entregar à filha de Edir Macedo, nos EUA. Viviane escolheu apenas 2 dos 3 irmãos: Fábio, o mais novo, acabou no Brasil nas mãos de outro bispo importante da IURD.

Entrou em rota de colisão com a IURD por causa das crianças e foi despedida da igreja. Acionou a justiça norte-americana e acabou por assinar um acordo de confidencialidade com Edir Macedo e com a IURD. Esse acordo a obriga a não divulgar o que aconteceu com os menores que ela levou do lar e a manter silêncio sobre todos os esquemas financeiros da igreja nos quais participou.

Há mais de 4 anos, não vê nem fala com as crianças que adotou para entregar à filha do bispo Macedo, a quem acusa de ter “um coração de gelo”.

Casou-se com um norte-americano e hoje vive em Los Angeles, nos EUA.

Vera Andrade

Nasceu em 23 de março de 1992, natural da Venteira, Amadora (Portugal). Teria sido retirada de sua casa, com seus irmãos, por uma técnica da Segurança Social que a entregou no lar ilegal da IURD.

Quando o bispo Edir Macedo visita a instituição, é escolhida para ser adotada pela sua filha Viviane. Tem dois irmãos, Luís e Fábio, que também foram levados por Alice Andrade, a secretária do bispo Macedo, para os EUA, a bordo de um avião privado e sem autorização dos tribunais portugueses.

Depois de viver durante anos com Viviane Cardoso, é devolvida a Alice Andrade, que, formalmente, é a sua mãe adotiva. Atualmente, é obreira na IURD.

Luís Andrade

Nasceu em 17 de março de 1993. Irmão de Vera e de Fábio, é natural da Amadora (Portugal) e foi, juntamente com a sua irmã, escolhido por Viviane e Júlio Freitas, respectivamente filha e genro do bispo Edir Macedo.

Foi maltratado nos EUA a ponto de que a babá portuguesa se demitiu.

Em um mês, batizou-se e tornou-se pastor da IURD. Acredita que foi abandonado pela mãe biológica e não tem contato com a mãe adotiva.

Fábio Andrade (“Filipe”)

Nasceu em 15 de dezembro de 1994. Natural da Venteira, Amadora (Portugal), é o irmão mais novo de Vera e Luís.

Foi levado para os EUA por Alice Andrade, mas separado dos irmãos. Viviane não quis ficar com ele, que acabou entregue ao bispo Romualdo Panceiro, com quem viveu durante três anos no Brasil, ilegalmente e à margem dos tribunais portugueses.

No Brasil, viveu com a identidade falsa de Filipe Barbosa Panceiro. Viajava com documentos falsos.

Reencontrou os irmãos, Vera e Luís, anos mais tarde, quando foi viver com Alice, a secretária do bispo, que acabou por adotar os três.

Faleceu em 2015, sozinho, num quarto de hotel em Nova Iorque. Alice foi chamada para reconhecer o seu corpo.

Bispo Romualdo Panceiro

É um dos principais bispos da IURD e, neste momento, está à frente dos destinos dessa entidade em Portugal e na Europa. É ele quem dirige o culto da igreja de Chelas, com capacidade para 3 mil crentes.

Nasceu em 31 de março de 1959, no Rio de Janeiro. É casado com Márcia Panceiro. Foi ele quem ficou com Fábio, o mais novo dos três irmãos retirados do lar da IURD e levados para os EUA. Fábio é o menino que morou ilegalmente no Brasil, sob documentos falsos com o nome de Filipe, e que viveu anos numa confusão de identidades.

Bispo Alfredo Paulo

Foi um dos bispos principais da IURD até 2011. Esteve à frente da entidade em Portugal e na Europa entre 2002 e 2009. Foi expulso da IURD por ter sido infiel à mulher e, quando saiu, descobriu que o seu nome estava sendo usado em muitas das empresas ligadas à Universal.

Hoje, mantém um canal no YouTube no qual denuncia a hipocrisia da cúpula da IURD. Tem milhares de seguidores, na sua maioria ex-fiéis da IURD.

Vive escondido e muda frequentemente de endereço por se sentir ameaçado.

A TVI o entrevistou na Suíça, onde estava refugiado na ocasião da entrevista.

No Brasil, a IURD abriu mais de 80 processos contra ele em vários Estados. É defendido por um advogado que também é ex-crente da IURD.

É casado com Teresa Paulo. O bispo Macedo os obrigou a adotar Lucas, um recém-nascido de 16 dias, no Brasil.

Lucas Paulo

Filho adotivo do bispo Alfredo Paulo, foi criado dentro da IURD. Chegou a ser pastor e, quando o pai saiu da igreja, foi enviado para o interior das Filipinas, onde enfrentou uma situação dificílima.

Foi amigo de Filipe (na verdade, Fábio). Quando adolescente, ambos se revoltaram contra a vida na IURD. Lucas denuncia a “imagem da família perfeita” e a utilização dos “filhos dos bispos” para angariar fiéis e dinheiro.

Garante que há mais crianças usadas pela IURD e que muitas desconhecem que são adotadas.

Teresa Paulo

Mulher do bispo Alfredo Paulo, foi obrigada a adotar por ordem do bispo Macedo. É mãe de Lucas Paulo.

“Maria”

Mãe biológica de Vera, Luís e Fábio. Após uma denúncia de que deixava os filhos sozinhos em casa, a Segurança Social da Amadora (Portugal) retirou dela as crianças e as entregou ao lar ilegal da IURD.

Jovem mãe, vítima de violência doméstica, mantinha dois trabalhos para conseguir alimentar os filhos e também seus próprios irmãos menores. Ela deixava todos eles aos cuidados do pai de seus filhos, mas ele se ausentava.

Vera, Luis e Fábio acabam no lar da IURD. “Maria” foi impedida de continuar a vê-los.

As crianças chamaram a atenção do bispo Macedo e foram afastadas dos pais biológicos.

O lar mentiu à Justiça portuguesa dizendo que a mãe havia abandonado as crianças e que nunca tinha ido visitá-las. Assim, conseguiu que a guarda dos menores fosse entregue a Alice, secretária do bispo, que levou os irmãos para serem entregues à filha do líder da IURD, nos EUA.

“Maria” foi à polícia duas vezes para denunciar o roubo das crianças, mas ninguém a levou a sério. Os relatórios do lar dizem que “Maria” era dependente química e soropositiva.

A TVI descobriu “Maria” quando ela procurava os seus filhos já havia 22 anos.

“Ana”

Ex-funcionária do lar, foi escolhida para ser a babá de Vera e Luís na casa do bispo Macedo na Califórnia.

Saiu de Portugal em 17 de setembro de 1996, como missionária paga pela IURD. Na realidade, era empregada do bispo e babá das crianças.

Testemunhou maus-tratos contra os dois irmãos e, por isso, resolveu despedir-se e voltar para Portugal, onde passou a procurar a mãe biológica dos menores.

“Rita”

Era uma das crianças mais velhas do lar da Universal quando os irmãos Vera, Luís e Fábio estavam lá. Recorda-se do que diziam sobre a mãe biológica das três crianças e de como elas foram afastados dos próprios pais.

Ex-funcionária do lar com identidade oculta

Antiga crente da IURD, foi educadora no orfanato durante os anos 1990. Assistiu à partida da babá de Vera, Luis e Fábio para os EUA.

Testemunha que as crianças saíram pela mão de Alice para serem entregues à filha do bispo Macedo na América do Norte.

Confessa que as crianças eram escolhidas e que muitas foram adotadas por bispos e pastores e levadas para o estrangeiro.

Cristiane Cardoso

Filha mais velha do bispo Macedo, adotou uma criança do lar da IURD contornando o normal processo de adoções em Portugal e promovendo a separação de dois irmãos: Filipe Bezerra Cardoso foi separado de seu irmão, Pedro, também ele adotado por outro bispo da IURD.

Nasceu no Rio de Janeiro em 31 de outubro de 1973. Casou-se aos 17 anos com o bispo Renato Cardoso. Ao lado do marido, apresenta o programa A Escola do Amor na rede Record.

Bispo Renato Cardoso

Marido de Cristiane Cardoso, a filha mais velha do bispo Macedo. É pai adotivo de Filipe.

Nasceu no Rio de Janeiro em 16 de janeiro de 1972. É considerado um dos mais importantes bispos da IURD e apontado pela mídia como o sucessor de Edir Macedo.

Além de apresentador, ao lado da mulher, é autor de diversos livros sobre “casamento feliz”.

Filipe Cardoso

Nasceu em Lisboa em 21 de abril de 1993. Adotado por Cristiane e Renato Cardoso, é neto do bispo Edir Macedo. Foi entregue ao lar da Universal pela avó, em 1996, à revelia da própria mãe, que considera que a Igreja Universal do Reino de Deus lhe roubou o filho.

Jaqueline Duran Marques

Foi diretora do lar da IURD em Lisboa e é mulher do bispo Sidney, que esteve em Portugal no final dos anos 1990.

O bispo Macedo o obrigou a adotar Pedro, o irmão mais velho de Filipe, que tinha uma mancha preta e peluda num braço e que Cristiane, filha do líder da IURD, não quis adotar.

Pedro Duran Marques

Nasceu em 24 de fevereiro de 1990. É irmão biológico de Filipe Bezerra Cardoso e foi adotado por Jaqueline Duran Marques, então diretora do orfanato, a mando do bispo Edir Macedo.

Aos 6 anos, libertou a mãe que era mantida em cárcere privado na própria casa e que sofria violência doméstica por parte do pai.

Foi entregue ao orfanato da IURD pela avó em 1996, à revelia da mãe biológica.

“Clara”

Mãe biológica de Pedro e Filipe, as crianças entregues ao lar da IURD pela avó e sem o seu consentimento. “Clara” foi a vítima de maus tratos de que falamos acima: seu filho mais velho, então com 6 anos, foi quem a ajudou a escapar dos abusos do marido.

Pediu ajuda à mãe, seguidora da IURD, para cuidar dos netos enquanto fazia uma desintoxicação. Quando regressou, ela já tinha entregue os netos ao lar da IURD.

Conseguiu visitá-los apenas três vezes. Em uma seguinte tentativa de visitar o orfanato, descobriu que eles já tinham sido entregues para adoção.

O tribunal português afirma que a mãe tinha dado o consentimento para adoção, mas “Clara” nunca foi ouvida – nem sequer chegou a sentar-se num tribunal. Na ocasião, o seu documento de identidade estava desaparecido, o que explica o falso consentimento com que o tribunal foi enganado.

Não sabia do paradeiro dos filhos e continuava a procurá-los nas redes sociais.

Fonte: Aleteia

Share.