null

Pe. SYLVIO FERNANDO FERREIRA

Pároco

PARÓQUIA SÃO DOMINGOS DE GUSMÃO

HORÁRIO DE MISSA

Terça: 19h30
Quarta: 
19h30
Quinta: 19h30
Sexta: 19h30
Sábado: 19h00
Domingo: 08h00 / 18h00 / 19h30

CONFISSÃO

Terça: 09h00 às 11h00 das 14h00 às 17h00
Quarta: 09h00 às 11h00 das 14h00 às 17h00
Quinta: 09h00 às 11h00 das 14h00 às 17h00
Sexta: 09h00 às 11h00 das 14h00 às 17h00
Sábado: 09h00 às 11h00

INFORMAÇÕES GERAIS

Secretaria funcionamento:
Segunda a Sexta: 08h00 às 11h00 das 13h00 às 17h00
Sábado: 08h00 às 11h00
Endereço: Praça Monsenhor Albino, 73
Bairro: Centro
Telefone: (17) 3522-2901
E-mail[email protected]

PADROEIRO DA PARÓQUIA

Neste dia lembramos aquele que, ao lado de São Francisco de Assis, marcou o século XIII com sua santidade vivida na mendicância e no total abandono em Deus e desapego material.

São Domingos nasceu em Caleruega, na Castela Velha em 1170, Espanha, e pertencia à alta linhagem dos Gusmão. O pai, Félix de Gusmão, queria entusiasmá-lo pelas armas; o menino preferia porém andar com a mãe, Joana de Aza, grande esmoler, e com clérigos e monges. Interessante é que antes de Domingos nascer sua mãe sonhou com um cão, que trazia na boca uma tocha acesa de que irradiava grande luz sobre o mundo. Mais do que sonho foi uma profecia, pois Domingos de Gusmão, de estatura mediana, corpo esguio, rosto bonito e levemente corado, cabelos e barba levemente vermelhos, belos olhos luminosos, não fez outra coisa senão iluminar todo o seu tempo e a Igreja com a Luz do Evangelho, isso depois de se desapegar a tal ponto de si e das coisas, que chegou a vender todos os seus ricos livros, a fim de comprar comida aos famintos.
Homem de oração, penitência e amor à Palavra de Deus, São Domingos acolheu o chamado ao sacerdócio e ao ser ordenado (no ano de 1203 em Osma, onde foi nomeado cônego). No ano de 1204, Domingos seguiu para Roma a fim de obter do Papa licença para evangelizar os bárbaros na Germânia.

No entanto, o Papa Inocêncio III orientou-o para a conversão dos Albigenses que infestavam todo o Sul da França com suas heresias. Desta forma, Domingos fez do sul da França, o seu principal campo de ação. Quando os hereges depararam com a verdadeira pobreza evangélica de São Domingos de Gusmão, muitos aderiram à Verdade, pois nesta altura já nascia, no ano de 1215 em Tolosa, a primeira casa dos Irmãos Pregadores, também conhecidos como Dominicanos (cães do Senhor) que na mendicância, amor e propagação do Rosário da Virgem Maria, rígida formação teológica e apologética, levavam em comunidade a Véritas, ou seja, a verdade libertadora.

São Domingos de Gusmão entrou no Céu com 51 anos e foi canonizado pelo Papa Gregório IX, em 1234.

SOBRE A PARÓQUIA

A nossa Matriz teve sua construção iniciada em 1919 num trabalho liderado por Padre Albino. Por indicação do nosso primeiro juiz de direito, Dr. Mergulhão Lobo, Padre Albino contratou Benedito Calixto para executar os motivos que a ornamentariam.

Calixto chegou aqui em 7 de fevereiro de 1925 e fez o levantamento dos espaços que teria à sua disposição, iniciando em São Paulo a pintura das telas que, representando personagens e passagens bíblicas, vieram adornar as paredes e o teto da Igreja. As pinturas formam um conjunto de excepcional qualidade artística que, complementado pela decoração mural, rica em relevos e ornatos, dá ao templo um todo magnífico, valorizando esse patrimônio histórico.

Para quem quiser visitar este acervo, ao entrar pela porta principal da Igreja Matriz, verá no alto e nas laterais da Igreja as seguintes telas: Iniciando pelo lado esquerdo, no batistério, São João Batista batizando Jesus, depois os profetas Elias e Ezequiel e os Santos apóstolos Pedro, André, Tiago Maior, João, Felipe e Bartolomeu.

Pelo lado direito os Evangelistas Lucas e Marcos e os Santos apóstolos Matias, Simão, Judas Tadeu, Tiago Menor, Mateus e Tomé. No alto e centro da Igreja está São Domingos de Gusmão, nosso padroeiro, recebendo o rosário de Nossa Senhora. E, para completar essas relíquias que permitiu a nossa Igreja Matriz integrar, desde 1965, o roteiro turístico do Estado de São Paulo, o auto-retrato de Benedito Calixto.

FOTOS DA PARÓQUIA